Sufocado pelas dívidas? Confira 6 passos para se livrar delas

Apresentamos alguns passos importantes no caminho para se organizar o orçamento e se livrar das dívidas. São eles:

1. Mapeie suas dívidas

É importante saber quanto e para quem se está devendo. Sem essa triagem inicial, é quase impossível negociar com os credores e organizar a vida sabendo exatamente o quanto de juros se está pagando em cada dívida.

2. Avalie sua capacidade

Conhecidos o tamanho da dívida, quem são os credores e as taxas de juros, é hora de avaliar detalhadamente sua renda, para determinar qual a capacidade real de pagamento mensal. O devedor precisa fazer uma lista de tudo o que recebe, incluindo salário, aluguéis e outras fontes de renda, e definir qual parcela desse total pode ser destinada ao pagamento das dívidas. Esse valor será importante na hora de negociar com os credores.

É importante lembrar que, além da parcela dos rendimentos destinada ao aluguel, ainda é preciso se preocupar com outras despesas fixas mensais, como alimentação e transporte. Esse é um momento decisivo porque uma análise errada da capacidade de pagamento pode resultar em novas dívidas no futuro. A dica para quem não tem uma renda fixa mensal é redobrar o cuidado na hora de estabelecer quanto pode gastar para pagar as pendências.

3. Primeiro as mais caras

De posse dessas informações, é hora de procurar os credores para negociar, sejam eles bancos, outras instituições financeiras ou lojas. Calil explica que a prioridade sempre deve ser dada às dívidas mais caras, aquelas que têm os juros maiores. Nesse grupo entram as dívidas do cartão de crédito e do cheque especial. Resolvidas essas pendências, passe para a negociação das dívidas mais baratas.

Um alerta: jamais deixe de pagar as despesas de consumo essencial, como água, luz, telefone, condomínio, entre outras. A inadimplência nesses casos, se prolongada, pode levar à interrupção da prestação do serviço. No caso do condomínio, um atraso superior a seis meses pode resultar em despejo.

Se a dívida for de um carro, por exemplo, sempre há a possibilidade de vendê-lo para se livrar da dívida. Se o veículo for muito necessário, venda e financie outro de menor valor. “É uma questão de engenharia financeira” “A pessoa terá pago mais juros ao fim do processo, mas cria uma sobra imediata.” O consultor lembra, entretanto, que é preciso fazer essas contas para refinanciar o carro com um especialista ao lado. “Entrar na concessionária e fazer as contas sozinho é suicídio, porque dependendo dos juros a pessoa pode pagar um carro novo a mais para o banco.”

4. Cumpra a palavra

O mais importante nessa história, depois de saber a quem se deve e o quanto se pode pagar, é honrar o compromisso assumido. “Por isso enfatizamos tanto a importância do segundo passo e a franqueza ao estabelecer o quanto se pode pagar por mês”.

5. “Faça” dinheiro

Em uma situação de aperto, outra atitude recomendável e procurar itens que possam ser vendidos para obter receita adicional. O carro, uma coleção de CDs, livros para um sebo e o computador antigo são exemplos do que pode ser vendido para aumentar rapidamente a renda. “Mesmo que sejam apenas R$ 100, toda ajuda é bem-vinda”.

6. Organize seu orçamento

Outra dica importante, não apenas para sair do sufoco, mas para levar pela vida toda, é a organização financeira. Monitorar os gastos, anotando-os em uma planilha ou mesmo em um caderno, é importante para saber para onde seu dinheiro está indo. Anotar cada gasto, do maior ao mais “insignificante” durante um mês ajuda a identificar o “ralo” por onde o salário está escorrendo. Além disso, quem organiza e controla os gastos pode se planejar melhor, poupar para o futuro e se prevenir para eventuais emergências.

Por Eduardo Tavares – Site Arena do Pavini

 

– Simplifique sua vida, conte com a Digicob!